Watch Dogs Legion, revisão da terceira ação furtiva de alta tecnologia da Ubisoft

Quem sou
Aina Martin
@ainamartin
Autor e referências

Watch Dogs é uma série muito interessante, mas ainda não conseguiu encontrar um quadrado. A Ubisoft tenta dar o golpe, confiando o papel de produtor deste terceiro jogo ao louco Clint Hocking, ou o homem por trás das idéias mais radicais do polêmico mas amado Far Cry 2. Vamos descobrir como foi com o nosso Ver a crítica do Dogs Legion!

Em 2014, Ubisoft inventa Watch Dogs, um drama de ação ambientado nos tempos modernos que atrai imediatamente o interesse do público graças a um trailer muito especial. As coisas mudam quando a aventura finalmente estreia nas lojas e é inundada de críticas, espancada pelo público por não respeitar o que foi mostrado nas prévias, pelo menos do ponto de vista gráfico. Apesar do lapso técnico, jogar Watch Dogs não é tão ruim, e na trama ele se detém em todos os medos, então nascentes, de uma tecnologia onipresente cada vez mais devotada ao controle das massas. O fascínio de estar lutando com aquele Assassin's Creed finalmente estabelecido nos dias atuais que nunca tivemos permanece intacto: afinal, Aiden Pearce é um pouco como aquele Desmond sequestrado pela Abstergo de quem, no enredo que vê assassinos e Templários se opondo, ele nunca conseguiu escapar. Em última análise, e apesar de tudo, Watch Dogs é um bom ponto de partida que a Ubisoft decide demolir com Watch Dogs 2.



Todas as cores do stealth

A sequência não tem mais aquele tom melancólico que deu vida ao progenitor, pelo contrário, é maluca, colorida, e parece ter sido escrita pelo Skrillex e mais um punhado de Djs jovens demais para morrer e bacanas demais para essa merda. O elenco é insuportável, para os mais jovens que percebem sua falta de espontaneidade e para os jogadores mais velhos, órfãos daquela profundidade emocional que os aproximou dos primeiros Watch Dogs. E é uma pena, porque do ponto de vista da jogabilidade, os avanços são enormes. Watch Dogs 2 é mais uma vez uma ação furtiva baseada em hackers, onde muito mais liberdade é concedida para enfrentar as missões principais, aqui construída para oferecer uma experiência mais complexa do que no primeiro jogo.



Em suma, Watch Dogs 2 dá um claro passo atrás do ponto de vista da caracterização, e um claro passo à frente no design de jogos que, considerando tudo, porém, não é suficiente para transformá-lo em um claro sucesso, tanto da crítica quanto da o público. Com Watch Dogs Legion, a Ubisoft muda as cartas novamente, desta vez reconstruindo as boas coisas feitas no segundo capítulo em torno de uma ideia que podemos considerar extraordinária: a possibilidade de interpretar cerca de nove milhões de personagens diferentes. Chegou o momento de consagração da série? Não totalmente, mas o passo está, sem dúvida, na direção certa.

Com qual personagem começar?

Watch Dogs Legion é um produto divertido, é certo deixar isso bem claro. Na década de 40 horas de jogo alternando entre as atividades principais e a maioria, mas não todas, as atividades secundárias, nunca houve um momento em que sentíssemos o peso da repetição. O problema não está na visão geral, de fato vencer, mas em uma execução que logo se revela um tanto errática, insegura. Aqui, cada começo é diferente: uma vez terminada a introdução, o jogo nos dará a oportunidade de escolher com quem começar entre quinze personagens diferentes para cada novo jogo. Dependendo doedição de jogo comprada, também teremos agentes pré-determinados com características acima da média, por um bom extra, mas que ainda pode passar sem (na verdade, é melhor começar quase do zero, se quiser uma opinião pessoal). Depois de mais algumas missões introdutórias, podemos começar a recrutar novos agentes para dar corpo ao nosso grupo de revolucionários da informática.



Convença e aliste

Existem cerca de nove milhões de potenciais em Watch Dogs Legion personagens jogáveis: são os habitantes de Londres, e muitos deles são homens e mulheres com características bastante comuns ou mesmo inexistentes, mas entre os cidadãos que povoam a metrópole inglesa você também encontrará personagens muito mais interessantes, senão fora do comum. O alistamento é mais ou menos fácil dependendo da opinião que o objetivo terá do coletivo DedSec da qual faremos parte.

Antes de concordar em se juntar ao nosso grupo, um morador com uma opinião neutra geralmente pedirá para realizar uma missão para ele; um voluntário poderia concordar em fazer parte da revolução sem mais pedidos; quem não nos ama terá que ser incentivado a intervir no seu dia-a-dia, que só será acessado depois de desbloqueado uma determinada habilidade. Você também encontrará aqueles que odeiam o DedSec a ponto de rejeitar qualquer tentativa de alistamento.

Memórias e parentes

O sistema é verdadeiramente espantoso, muito bem executado, sobretudo porque a fórmula processual que cria os habitantes dá vida a vidas sempre muito credíveis que incluem empregos, hobbies e em muitos casos até familiares que se podem encontrar pela cidade. Um personagem pode nos odiar porque durante nossas invasões batemos em um irmão ou pai, ou nos amar porque já o ajudamos enquanto as milícias do Albion eles o estavam incomodando.



Em movimento existe, portanto, um sistema que mudará o feedback da cidade também com base em como nos comportaremos, deliberadamente ou sem perceber inicialmente. E à medida que avançamos, essas diferentes conexões entre personagens serão cada vez mais visíveis graças aos indicadores concebidos para nos mostrar, por exemplo, que a mulher à nossa frente é a esposa de um dos habitantes que já incluímos na lista de possíveis candidatos. Os diferentes personagens podem confiar em certos habilidades especiais, passivo e ativo, e em uma forma e uma preparação física que os tornará mais ou menos ágeis, e que lhes dará diferentes conjuntos de movimentos. Claro que existe muita repetitividade em circulação, um limite que também é útil porque nos dará a oportunidade de encontrar, se necessário, um arquétipo de que gostamos particularmente.

Morte permanente

Watch Dogs Legion também permite que você brinque com morte permanente, um modo que envolve a morte permanente de um personagem. Sabemos que para muitos essa opção específica pode parecer inaceitável, mas garantimos que jogar dessa forma torna a experiência muito mais emocionante. Saber que as coisas podem dar muito errado, leva o jogador a pensar sobre cada ação, planejando as rotas de fuga com antecedência e escolhendo o melhor membro a ser enviado para a briga.

Claro, se e quando você perder um personagem querido, você se sentirá zangado e triste como nunca antes, mas um jogo de ação deve ser capaz de transmitir emoções diferentes do usual e óbvio poder excessivo do protagonista. Mesmo sem morte permanente ativa, alguns personagens têm deuses junto com bônus malus que incluem uma morte irreversível, talvez porque estão doentes, ou estão dedicados a uma vida dissoluta; entre esses lados negativos, há também efeitos que prolongam a permanência no hospital em caso de ferimentos graves ou soluços crônicos que tornarão a abordagem furtiva mais difícil, senão impossível. E então há o idoso, que te fazem rir com os seus movimentos indecisos, os rangidos das tentativas de fuga, a esterilidade no combate corpo a corpo: uma categoria praticamente inútil a não ser rir. Igualmente divertidos, mas personagens muito mais interessantes como a estátua viva, que em seu terno prateado pode congelar para escapar dos inimigos que o procuram, e atrair outras pessoas que em alguns casos até lhe oferecerão algum dinheiro. No decorrer do nosso jogo, também conseguimos um assassino de aluguel capaz de matar instantaneamente com um tiro corpo a corpo enquanto segura uma arma de fogo: em combate, o resultado é semelhante ao estilo de John Wick, com agarres que tornam os inimigos inofensivos e dois golpes finais de Parabellum para nocauteá-los para sempre.

Resultado do desenvolvimento

Le variantes dos personagens, embora não sejam infinitos, ainda são mais do que suficientes: há boxeadores, especialistas em drones, espiões com relógios capazes de desativar as armas de fogo de inimigos próximos que dirigem carros equipados com lançadores de mísseis, motoristas que ao volante reduzem o nível de pesquisa mais rapidamente, advogados que libertam instantaneamente os camaradas presos, mahio que hipnotizam os inimigos, mímicos que se camuflam naturalmente e assim por diante. Se houver um novo capítulo na série, e não temos nenhuma razão para acreditar o contrário, é precisamente neste recurso do Watch Dogs Legion que devemos nos concentrar novamente, para melhorá-lo ainda mais. No momento, entretanto, há um grande, muito grande problema de equilíbrio: ao coletar os pontos de tecnologia que encontraremos espalhados nas áreas mais perigosas do mapa, será possível desbloquear várias coisas, incluindo habilidades que em muitos casos irá se sobrepor aos de nossos personagens.

É bom inicialmente usar um bom com drones em missões onde este tipo de ameaça é uma constante, mas se as mesmas ou quase as mesmas habilidades podem ser desbloqueadas para todos os personagens que temos, aquele agente DedSec específico que rastreamos, convencidos e de que também gostamos, acabarão por ser muito menos úteis e interessantes. Nas primeiras entrevistas, também se falava da possibilidade de aumentar o nível de agentes ao longo do caminho, característica que parece não estar presente no jogo completo. A sensação é que o jogo mudou continuamente durante o desenvolvimento, e algumas das mutações mais traumáticas deixaram para trás consequências que tornaram certas partes do jogo redundantes ou inconclusivas.

Tramas e conspirações

Uma grande pena, especialmente à luz de um roteiro muito interessante, embora seja um desperdício ter encurralado a questão da privacidade para deixar espaço para uma pegada de conspiração forte: também há chips sob a pele que cozinham você remotamente como aqueles que para alguns ativariam Bill Gates através do 5G. Mas esta não é uma má história, pelo contrário, esta Londres futurista depois do Brexit é um cenário perfeito para o enredo que os escritores da Ubisoft montaram.

O cenário do Watch Dogs Legion prevê a presença de diversos grupos além do DedSec: são os Day Zero que detonou várias bombas na metrópole, colocando a culpa em nós, tem o Clã Kelley dirigido pela criminosa Mary Kelley, cujo papel inicialmente não é bem conhecido, um círculo de assassinos chamado 404 liderado pelo enigmático hacker Nowt e muitas outras facções e personagens, juntamente com suas tramas, que deixamos o prazer de descobrir por si mesmo. O bom trabalho realizado na redação do enredo narrativo, no entanto, esbarra em uma redação decididamente pobre, onde cada linha do texto parece encerrar com um palavrão ridículo e muito irreal. Esse aspecto fica ainda menos divertido quando estão interagindo os diferentes membros do grupo DedSec, dramaticamente incapazes de evitar um "pau" a cada três em dois. Além disso, tendo que dar voz a milhares de personagens possíveis, a qualidade geral dos mesmos é muito baixa, tanto na versão em espanhol quanto na original.

Jogabilidade compacta e criativa

Construída sobre uma base mais do que boa estabelecida com Watch Dogs 2, a jogabilidade de Watch Dogs Legion se sai muito bem, mas mesmo assim há um pouco de achatamento em favor de três soluções virtualmente onipresentes: o uso de drones. De carga para voar sobre o local escolhido , o abuso do chamado robô-aranha hackear todas aquelas estações que não será possível usar remotamente e a busca por câmeras que nos permitam interagir com o cenário para pavimentar nossa próxima e efetiva intrusão. Deste ponto de vista, embora nas missões principais Legion esconda mais do que uma surpresa, Watch Dogs 2 ofereceu soluções muito mais variadas e desafios mais interessantes.

Em atividades secundáriasEm vez disso, Watch Dogs Legion tem uma abordagem bastante esquemática: cada distrito de Londres oferece três missões diferentes que, uma vez concluídas, darão acesso a uma última ação de demonstração decisiva. Cada distrito libertado dá acesso a diferentes bônus e a um novo operador com um determinado personagem. Como antecipado, apesar de suas limitações, Watch Dogs Legion é sempre muito divertido, afinal, como pode não ser um jogo que sempre te deixa com tanta liberdade na escolha da melhor abordagem? Além disso, pela primeira vez a Ubisoft desistiu do gigantismo usual de seus títulos mais recentes para oferecer uma área e experiência de jogo mais compacta e muito melhor organizada. Sim, existem dezenas de documentos, máscaras e outras amenidades a serem encontradas e coletadas, mas nada além e desafiando o jogador simplesmente olhando para o mapa, como sempre foi o caso no passado.

Aranhas, drones, carros e motos

Em ação, você atira muito bem, enquanto a furtividade é montada por aqueles que conhecem o gênero completamente, e fica evidente. Aqueles que se importarem particularmente, ficarão felizes em saber que embora não seja possível mover os corpos dos inimigos pousados, para evitar avistamentos, podemos usar uma tecnologia de camuflagem particular que os fará desaparecer da vista de seus companheiros e outros sistemas de segurança. O spider-bot, esta aranha eletrônica e controlada remotamente em particular, é particularmente divertido de usar e será o protagonista de algumas fases de plataforma de muito sucesso.

O sistema de parkour é bom, mas um pouco mais de animação certamente o teria tornado mais satisfatório. Quanto ao condução de veículos, o sistema se assemelha muito ao do segundo Watch Dogs, ligeiramente modificado para melhor adaptá-lo às ruas estreitas da capital inglesa. Mas como as bicicletas dobram continua insuportável, hoje como ontem. O uso de drones em vez disso, é uma alegria, e a capacidade de manobra dependerá do tipo; drones podem ser usados ​​para tirar fotos remotamente, para explorar áreas particulares e no caso desses transportadores, maiores que os outros, também para carregar e descarregar cargas a fim de abrir estradas, bombardear inimigos e escalar até nos fazer flutuar durante a cidade.

Direto ao ponto

Di minigames, elemento que normalmente se caracteriza no mundo aberto, são muito poucos e de qualidade duvidosa: poderemos driblar com as bolas de futebol que encontraremos por aí numa espécie de prova de tempo rápido cada vez mais difícil, divertirmo-nos com dardos no pubs onde também podemos beber cerveja para encenar e ativar power-ups especiais para alguns personagens, ou arrecadar dinheiro transportando pacotes de DedSec pela cidade. Depois, há o boxe clandestino, que destaca um sistema de combate corpo a corpo simples e perfeitamente funcional ao jogo. Também neste caso, a vontade da Ubisoft é claramente "enxugar" o produto para direcionar os jogadores para o que realmente importa, uma escolha que sentimos que podemos apoiar totalmente.

Cuidado com o hack

La Londres em vez de Watch Dogs Legion merece apenas aplausos. A reconstrução é quase perfeita na escala, muito boa no sentimento típico da metrópole, ao mesmo tempo que oferece vários interiores de extrema qualidade, algo que a Ubisoft já demonstrou ser capaz de gerir muito bem no último The Division 2. Felizmente existe nenhum tráfego típico de Londres, caso contrário os veículos seriam impossíveis de usar, mas não há nem mesmo o metrô subterrâneo, aqui apenas com suas entradas na estrada e utilizável para uma viagem rápida anônima, mas útil. O facto de faltarem comboios é uma pena, já que fui um aspecto muito importante no primeiro jogo, e sobretudo porque são vistos em algumas zonas da cidade mas infelizmente estão todos parados no lugar. o NPC que povoam a cidade, representando também as dinâmicas de jogo de maior sucesso, tornam o cenário mais vivo do que nunca, com papéis precisos e um posicionamento lógico e credível. Também gostamos da física que entrará em jogo quando colidirmos com cabines telefônicas e outros elementos espalhados: nada incrível é claro, mas ainda superior ao que esperávamos.

Aspectos técnicos com reflexões nextgen

Agora vamos entrar nos detalhes técnicos. Testamos o jogo em um PC bastante blindado, equipado com 2080TI e pudemos jogar com 80% das opções definidas como ultra e rastreamento de raios empurrando tudo em 4K e 30 fps. Não é um grande resultado, mas não deve ser jogado fora, mas será muito interessante ver como o Ps5 e o Xbox Series X se comportarão nesse sentido. A Ubisoft já disse que os dois consoles serão capazes de tirar vantagem do traçado de raios, mantendo a resolução e taxa de quadros idênticas às nossas, mas também devemos ver como as outras opções serão gerenciadas, como a qualidade geométrica das estruturas por exemplo. O rastreamento de raios é particularmente importante aqui, não apenas porque é a primeira vez que o vimos em ação em um mundo aberto e em tantas superfícies ao mesmo tempo, mas também porque sem ele a aparência geral do Watch Dogs Legion parece bastante plana. A falha está em um sistema de iluminação bastante modesto, para o qual os reflexos em tempo real desta nova mas muito pesada tecnologia fornecem uma ajuda concreta, dando a toda a cena uma profundidade inesperada e decididamente. NextGen. Graças ao traçado de raios veremos o tráfego circundante projetado nas vitrines, as pernas dos transeuntes refletidas no cromo dos veículos e o vidro dos arranha-céus engolindo o resto da cidade exatamente como na realidade. Um efeito verdadeiramente mágico ao qual alguns podem preferir os 60 quadros por segundo mais ágeis e atraentes.

O jogo atualmente não inclui funções multiplayer, nem mesmo as espetaculares invasões do primeiro jogo, geralmente anunciadas pelo apagamento de todas as luzes da vizinhança. No entanto, a equipe de desenvolvimento está trabalhando em um modo cooperativo que pelo menos no papel parece prometer muito bem, esperado nos próximos meses, exceto para atrasos de última hora, e nesses casos eles não devem ser excluídos.

Commento

Entrega digital uPlay, PlayStation Store, Xbox Store preço € 59,99 Resources4Gaming.com

7.8

Leitores (53)

7.2

Seu voto

Watch Dogs Legion é um jogo que funciona e que irá entretê-lo honestamente por muitas horas. A ideia de fazer de cada transeunte um possível protagonista é realmente extraordinária, mas precisaria de várias melhorias. É realmente uma pena que a árvore de habilidades desbloqueáveis ​​seja tão sem imaginação e, em alguns casos, vá quebrar a singularidade dos personagens, pois foi ver as abordagens disponíveis para nós reduzirem em quantidade, e especialmente em variedade, em comparação com o passado. . Algumas missões principais são muito bem pensadas, mas em Watch Dogs 2 vimos situações muito mais complexas do que as propostas em Watch Dogs Legion. Felizmente, este jogo pode realmente representar um novo começo, um ponto de reinicialização para construir a primeira verdadeira obra-prima de uma série que só hoje parece ter encontrado sua própria identidade precisa.

PROFISSIONAL

  • Montar seu próprio clã é ótimo
  • Jogabilidade honesta e precisa
  • O primeiro raio traçado em um mundo aberto
CONTRA
  • Habilidades mal calibradas
  • Escrita realmente pobre
  • Sem recursos multijogador como nas prequelas
Adicione um comentário do Watch Dogs Legion, revisão da terceira ação furtiva de alta tecnologia da Ubisoft
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.