Warhammer 40,000: Battlesector, a revisão

Quem sou
Aina Martin
@ainamartin
Autor e referências

Warhammer, em sua declinação futurística, é uma fonte inesgotável de inspiração para jogos estratégicos. Claro, aqueles em tempo real ficaram para a história graças acima de tudo à contribuição da Relic, mas também há espaço para produções menores que contam com a estrutura giratória de inox. É o caso de Warhammer 40,000: Battlesector, para o qual você está lendo a crítica, publicado pela Slitherine e desenvolvido pela Black Lab Games, a mesma software house que Battlestar Galactica: Deadlock.


Ao contrário de Gladius: Relic Of War, publicado sob a mesma bandeira há alguns anos (e revisado por Simone Taglifarri), Battlesector renuncia quase que totalmente à parte de gerenciamento que, como veremos, se limita a simples atualizações, para focar exclusivamente na tática que se desenvolvem em arenas bastante pequenas para que possam ser definidos, como o próprio título sugere, setores reais.


Muito mais próximo de suas cordas está Warhammer 40K: Sanctus Reach da Straylight Entertainment, com o qual, como veremos, compartilha mais de um aspecto.

Uma história a ser escrita


Se você não for apaixonado pela saga Warhammer, dificilmente será pego por um história contada por meio de diálogos e desenhos animados: a ausência de cut-scenes caras e a pouquíssima troca de palavras entre os personagens durante as sessões de jogo certamente não ajudam a contextualizar a trama que segue as façanhas do Sargento Carleon à frente dos Blood Angels, oprimido pela invasão que os tirânidas trouxeram ao seu planeta natal Baal, o Segundo.



Depois dos convenientes, você passa imediatamente para oação: o campo de batalha é dividido em uma grade quadrada, na qual as várias unidades se movem, cada uma caracterizada por uma quantidade de pontos de ação que a torna mais ou menos móvel. Existem capas que podem modificar os resultados de um ataque ou defesa, tornando-as mais ou menos eficazes, embora os mapas sejam desenvolvidos apenas no plano horizontal e o terreno não possa ser modificado por ataques. As unidades são compostas por um ou mais elementos, dependendo do poder de fogo, e cada um deles tem sua própria barra de saúde.

Além dos padrões, cujas fileiras podem ser reabastecidas sem nenhum custo entre as missões, existem heróis, incluindo o já citado Sargento Carleon, que tem habilidades específicas e cuja morte prematura coincidirá com o fim do jogo. Pelo que foi escrito até este momento, deve ficar claro que o Battlesector não adiciona nem retira nada da estrutura típica da estratégia baseada em turnos; no entanto, os desenvolvedores decidiram apimentar as coisas com a introdução do ímpeto, essa é uma barra que se enche conforme você mata os Tyranids e que desbloqueia um ataque especial.

O intrigante é que os pontos são perdidos deixando as tropas em uma posição defensiva; esse mecanismo adiciona uma variável tática bem-vinda porque às vezes vale a pena correr o risco de movimentos que podem ser tão triunfantes quanto catastróficos.

Táticas

Batalha típica em uma plataforma militar

Conforme escrito inicialmente, o mapas são pequenos, mas podem demorar muito para serem lançados. Isso acontece devido à regeneração contínua do inimigo que é interrompida apenas quando o objetivo principal (escoltar o sacerdote de sangue até certo ponto, desativar as torres defensivas, resistir a uma invasão alienígena por um certo número de turnos) é alcançado. Neste ponto, independentemente dos esforços feitos anteriormente, ainda é necessário se livrar de todos os tiranídeos que ficaram de pé: este é o momento mais crítico de todos porque é precisamente em correspondência com as curvas finais que a invasão produz seus esforços máximos. . Os primeiros mapas parecem estar acessíveis no nível sugerido pelo jogo, mas logo a dificuldade aumenta exponencialmente e já na quinta missão será necessário recorrer à função de carregamento.



La sfida não se dá tanto pela inteligência artificial, mas pelo esmagador número de unidades controladas pela CPU, em média mais que o dobro das disponíveis ao jogador. Com essas premissas, as condições para o fracasso são claras a partir do desdobramento das unidades, pois não se conhece o posicionamento dos oponentes nem a composição de seu exército. Essa mecânica de "tentativa e erro" não é nova neste gênero de jogos, mas costuma ser uma fonte de frustração, e o Battlesector não é exceção.

Além disso, o fato de todas as unidades serem reveladas antes do meio do jogo e a ausência de objetivos secundários durante as missões são elementos que podem tornar a ação repetitiva.

Requisitos de sistema do PC

Configuração de teste

  • Sistema operacional: Windows 10 Pro
  • Processador: AMD Ryzen 9 5950X
  • Memória: 32 GB de RAM
  • Vídeo Scheda: AMD Radeon RX 6800 XT

Requisitos mínimos

  • Sistema operacional: Windows 64 de 10 bits
  • Processador: Intel Core i5-4460
  • Memória: 4 GB de RAM
  • Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 750
  • Memória: 25 GB de espaço disponível
  • Placa de som: compatível com DirectX

Requisitos recomendados

  • Processador: Intel Core i5-6400
  • Memória: 8 GB de RAM
  • Placa de vídeo: NVIDIA Geforce GTX 950

Gestione

Blood Angels atacando as ruínas

A parte gestão é reduzido ao osso: ao completar as missões você ganha pontos de experiência que podem ser gastos na árvore de habilidade dos generais, ao contrário das tropas que sempre permanecem no mesmo nível independente do número de mortes. Além da distinção clássica entre ativo e passivo, alguns dizem respeito ao herói individual, outros dizem respeito às unidades padrão. Destes, em particular, encontramos dez tipos para cada uma das duas facções representadas, enquanto os tirânidas, ao contrário dos fuzileiros navais do espaço que têm cinco, têm apenas três campeões.



Le modalidade do jogo são apenas dois: o foco da oferta é a campanha dos Blood Angels, dividida em cerca de vinte missões. Depois, há a escaramuça clássica onde finalmente os invasores também podem ser selecionados, e onde também é possível definir alguns parâmetros, incluindo a regeneração automática de inimigos. No entanto, os mapas são apenas oito e o modo é apenas um, ou seja, aquele que obtém mais pontos dentro de um determinado limite de jogadas vence.

Não podia faltar o multijogador, em que encontramos jogos "ao vivo", ou seja, os tradicionais em que os dois jogadores competem em tempo real; os assíncronos, em que o turno é concluído apenas quando o jogador decide ficar na frente do teclado; o hotseat anacrônico em que os desafiadores usam o mesmo computador. Infelizmente, como costuma acontecer antes do lançamento, não foi possível experimentar o multiplayer devido à ausência de um lobby: no entanto, acreditamos que este não deve certamente ser o principal motivo que impulsiona a compra do Battlesector.

Commento

Versão testada PC Windows 1.0.0 Entrega digital vapor preço € 33,99 Compre aqui em Resources4Gaming.com

6.8

Leitores

SV

Seu voto

Gráficos elegantes, dublagem superlativa, mecânica de jogo simples com facetas profundas: Battlesector aproveita ao máximo o universo criado pela Games Workshop para fornecer estratégia imediata e desafiadora por turnos. Infelizmente, às vezes, a dificuldade é excessiva e parece que só há uma maneira de levar a melhor sobre os inimigos. Em termos de conteúdo, o título é muito parcimonioso: a campanha single player, dedicada apenas aos Space Marines, deveria ter sido apoiada com um número maior de unidades e, no final da feira, existem apenas duas facções. Olhando para o futuro conteúdo adicional, o jogo Black Lab é uma ótima escolha para Warhammer 40,000 fãs

PROFISSIONAL

  • Mecânica imediata
  • Tecnicamente bom
  • Exigente...
CONTRA
  • ... às vezes até de graça
  • Apenas duas facções
  • Para quem não é fã, corre o risco de se tornar repetitivo em breve

Adicione um comentário do Warhammer 40,000: Battlesector, a revisão
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.