Uma aventura de sonho

Quem sou
Aina Martin
@ainamartin
Autor e referências

E assim fizemos. Por alguns meses, temeu-se que a Nintendo não quisesse lançar o último remake de Dragon Quest para Nintendo DS no Ocidente, então, como um raio do nada, o início de 2011 trouxe a notícia que muitos fãs estavam esperando: Dragon Quest VI também chegaria à Europa e à América, pela primeira vez. A versão original para SNES remonta a 1995 e nunca teve nenhuma adaptação oficial: por quinze anos os jogadores ocidentais tiveram que passar sem um verdadeiro marco de seu tipo, até que a Square Enix começou, agora diferentes anos atrás, as versões revisadas e corrigidas do "trilogia" central da saga. Graças a esta operação, nós europeus também pudemos desfrutar dos remakes de Dragon Quest IV e Dragon Quest V e com este último capítulo o círculo iniciado no Nintendo DS se fecha: a saga principal diz adeus ao portátil Nintendo, que também hospedou o episódio mais recente, Dragon Quest IX: The Sentinels of the Sky, com um capítulo crucial que influenciou fortemente a produção de JRPG nas últimas três décadas. Mas será que este sexto Dragon Quest envelhecerá bem?



Eu sonho ou estou acordado

Apesar do sufixo numérico, Dragon Quest VI: Into the Realm of Dreams é efetivamente uma prequela de toda a trilogia, que também consiste em Dragon Quest IV: Chronicles of the Chosen e Dragon Quest V: The Bride of Destiny. Para quem já jogou os episódios anteriores o motivo vai aparecer cada vez mais evidente à medida que nos aproximamos das fases finais, para não estragar a surpresa dos novatos basta dizer que o novo protagonista não está destinado a permanecer um simples lenhador para sempre e que o 'aguarda um destino verdadeiramente lendário.



Já nos primeiros minutos do jogo somos apresentados à sua missão épica: buscar os meios necessários para destruir o demônio-feiticeiro do mal Lacertow. Para fazer isso, o herói desta Dragon Quest terá que viajar entre dois mundos paralelos, reunindo um grupo de companheiros valentes. Ao contrário dos outros episódios da saga, muitas vezes caracterizados por personagens coadjuvantes esboçados apenas superficialmente, Dragon Quest VI: Into the Realm of Dreams propõe um elenco muito mais incisivo e cativante. Ainda estamos longe da narrativa multifacetada e às vezes exasperada dos JRPGs mais modernos, porém os personagens que acompanharão o Herói são multifacetados e motivados por problemas pessoais que enriquecem o enredo. Este último é proposto no perfeito estilo Dragon Quest, é uma aventura de temas e cenários de fantasia distintos que se desenvolve entre castelos, cavernas e ruínas perdidas. Ao contrário do Dragon Quest anterior, este sexto episódio tem uma veia goliardic maior que ilumina uma atmosfera geral decididamente épica que às vezes consegue se levar muito a sério. Em geral você tem a sensação de jogar um JRPG muito mais moderno do que as duas prequelas / sequências da chamada "trilogia Zenith", porém a história sofre da ideia de mundos paralelos, talvez não realmente desenvolvidos de forma adequada. Este conceito teria sido retomado e elaborado posteriormente por jogos como Chrono Trigger, mas aqui parece um pouco superficial e menos incisivo, com um enredo que conecta os dois mundos por meio de aventuras episódicas não relacionadas entre si. A sensação que se tem é a de uma história um tanto banal que tende a ir longe demais, contando com o excelente elenco e alguns diálogos realmente brilhantes.


Tradução

A tradução dos textos em um RPG é um assunto muito delicado e, neste caso, merece uma discussão à parte: o roteiro original do jogo em japonês está cheio de trocadilhos e diálogos difíceis de adaptar à nossa língua sem perder o sentido. Por isso, os tradutores optaram por uma adaptação que lembra Final Fantasy IX e o mais recente Dragon Quest IX, mas ainda mais corajoso. Portanto, nas aldeias falamos em vários dialetos da nossa península e não faltam referências à cultura pop, das novelas aos VIPs, passando por personagens que falam como Yoda. O resultado pode deixar os puristas um pouco perplexos, mas para aqueles que não mastigam o inglês é certamente uma tradução agradável que arranca mais do que um sorriso.


Passado presente

Dragon Quest VI teve o mérito considerável, em 1995, de projetar a saga Enix na era moderna do JRPG, sacudindo algumas mecânicas e limitações decididamente ultrapassadas que já atormentavam a série naquela época e que hoje seriam mais chatas do que tradicionais. Em sua encarnação para o Nintendo DS, os desenvolvedores do ArtePiazza refinaram ainda mais a interface para modernizá-la apenas o suficiente para tornar o jogo mais amigável sem distorcer seu classicismo fundamental. A bolsa comum com capacidade ilimitada, representada por um cavalo puxando uma carroça, é apenas um exemplo dessas melhorias que tornam a experiência mais agradável do que no passado.


A tela dupla do Nintendo DS também permite que você visualize constantemente o mapa do mundo em que está ou das cidades que está visitando, um recurso muito conveniente que torna a exploração dos locais mais intrincados muito menos frustrante, especialmente se nós considere a presença de lutas casuais tradicionais. Toda a estrutura do menu agora parece mais conveniente, apesar de sua extrema simplicidade. Dragon Quest VI: Into the Realm of Dreams não se afasta particularmente da estrutura dos episódios anteriores, propondo as batalhas canônicas em primeira pessoa que mostram apenas as animações espetaculares e bem cuidadas dos inimigos, mas nunca dos espíritos do nosso grupo. É uma escolha estilística com a qual você terá que lidar com Dragon Quest VIII (PlayStation 2), mas no contexto funciona bem e os confrontos aparecem muito mais rápido do que no Dragon Quest V. anterior. O verdadeiro passo em frente, entretanto, está no sistema de Vocações que retorna pela primeira vez após Dragon Quest III, imitando o desenvolvido pela Square para Final Fantasy V. Mais uma vez, passado e presente se misturam, mas neste caso nos deparamos com um sistema que lembra o de Dragon Quest IX , mas um pouco mais cru. A Abadia Mutationis permite que você mude a vocação de nossos personagens, permitindo que eles aprendam novos feitiços e habilidades, melhorando diferentes estatísticas. Ao travar um certo número de batalhas, é possível atualizar cada classe e algumas combinações desbloquear vocações avançadas mais poderosas. O sistema permite uma boa personalização da festa mas a sensação é de protótipo: é impossível evoluir e conhecer todas as vocações sem travar literalmente milhares de batalhas pelo seu próprio bem. Considerando que não é necessário realizar todas as vocações com todos os personagens de qualquer maneira (fazer do forte Carver um mago é uma escolha no mínimo questionável!) Para completar o jogo em sua totalidade, essas limitações deixam um gosto amargo na boca ajudando a sublinhar o conflito entre passado e presente que é este episódio de Dragon Quest.


Commento

Resources4Gaming.com

8.0

Leitores (44)

8.6

Seu voto

Dragon Quest VI: Into the Realm of Dreams é um dos melhores expoentes da premiada saga Enix, mas é impossível não notar a ingenuidade de algumas características que teriam sido vistas e revisadas ao longo de quinze anos e que pudemos experimentar em sua forma mais atual já no ano passado com Dragon Quest IX: The Sentinels of Heaven. No entanto, deve-se ter em mente que este sexto episódio foi fonte de inspiração para muitas aventuras mais recentes e, portanto, ocupa um lugar considerável na história do gênero JRPG. Tomando nota desses problemas de idade, Dragon Quest VI: Into the Realm of Dreams continua sendo uma das melhores expressões da franquia como gameplay e personagens, enriquecida pelos excelentes cosméticos desenvolvidos pela ArtePiazza, e um evento imperdível para os amantes do gênero ou da série.

PROFISSIONAL

  • Excelente remake gráfico e de som
  • O melhor elenco de atores coadjuvantes da saga
  • Inúmeras melhorias de jogabilidade
CONTRA
  • No entanto, continua sendo um produto um tanto antiquado
  • O enredo principal é um pouco enfadonho às vezes
  • O sistema de vocação é menos acessível do que parece
Adicione um comentário do Uma aventura de sonho
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.