Tetris Beat, a crítica do clássico com mais ritmo

Quem sou
Aina Martin
@ainamartin
Autor e referências

Finalmente, até o Apple Arcade tem sua versão do famoso jogo de quebra-cabeça de Aleksej Pažitnov, mas como vemos neste Crítica do Tetris Beat, não poderia faltar um quid adicional a respeito do desembarque no serviço de assinatura da Apple: neste caso, vamos falar sobre o ritmo.

Entre as muitas variações aplicadas à fórmula imortal de Tetris, esta de N3twork é particularmente interessante, pois estende a experiência de jogo em termos sensoriais, criando aquela sinestesia entre música, controles e coordenação vimos no passado nas produções de Tetsuya Mizuguchi e alguns outros. A mecânica do jogo obviamente não perturba muito, mas as sensações que são sentidas ao encaixar os tetrominós são amplificadas por esta digressão musical do Tetris, que requer um período mínimo de adaptação para sair da lógica reflexiva clássica e abraçar o movimento é um clima.



Na última década, vimos uma ampla gama de tentativas de modificar Tetris por meio de numerosas digressões em várias áreas, sempre com acréscimos marginais e nem sempre funcionais, mas frequentemente significativos. Na maioria dos casos, a melhor opção permaneceu a clássica, no entanto, também presente neste caso com o modo Maratona, mas pelo menos o Tetris Beat representa uma alternativa bastante válida para a queda usual de tetrominós interligados.

Não estamos nos níveis de completude e cuidado vistos no Tetris Effect, nem do impulso multiplayer dado pelo Tetris 99, mas Beat é sem dúvida um dos experimentos mais interessantes que vimos nos últimos anos na mesma base criada por Pažitnov quase 40 anos atrás. Como acontece no jogo rhtyhm real, a música não é apenas um simples acompanhamento, mas torna-se parte integrante da jogabilidade, obrigando-te a seguir o ritmo e a agir em conformidade, com um efeito que, embora seja bastante inquietante no início, vai progressivamente entrando num instintivo, assim como com a música.



Jogabilidade entre quebra-cabeça e jogo de ritmo

Tetris Beat assume o estilo abstrato e quase "lisérgico" de Effect e outras interpretações

Il gameplay é sempre igual: trata-se de ajustar as figuras geométricas que descem de cima para preencher as linhas e fazê-las desaparecer, evitando que a tela se encha de cima. Praticamente inútil discutir o funcionamento desse mecanismo e sua capacidade viciante, visto que os quase quarenta anos de história do Tetris falam por si, mas é interessante notar algumas variações presentes no Tetris Beat. Em primeiro lugar, existem três modos de jogo, entre os quais Marathon simplesmente representa a jogabilidade clássica com o desafio sem fim para atingir a pontuação máxima. A jogabilidade mais original, portanto, emerge das outras duas modalidade: Drop and Tap, ambos focados em jogos curtos ligados à duração das peças musicais escolhidas como acompanhamento.

No Tetris Beat, cada nível tem sua própria música de acompanhamento

Cair retoma o estilo clássico do jogo, mas com o acréscimo fundamental do ritmo: cada movimento realizado, tanto no que diz respeito à rotação dos tetrominós, quanto ao seu movimento no eixo horizontal, à queda imediata ou mesmo à opção de "adiar" um figura para fazer cair depois deve ser executada no ritmo da música para obter bônus. Tocando movimentos em um ritmo com excelente tempo, um multiplicador é iniciado que encadeia os bônus aumentando a pontuação por meio de ação rítmica. Acostumado a entrar na dinâmica clássica do Tetris, esse novo cenário pode facilmente ser confuso no início, mas se você se envolver na música, é fácil entrar no fluxo dos movimentos cedo.



Ainda mais "extremo" é o modo Torneira, que apresenta ao jogador de vez em quando duas posições predefinidas para escolher com um simples toque na tela para o mesmo tetromino, retirando a liberdade de movimento e rotação e assim impondo, desta forma, se deixar levar pelo ritmo tentando acelerar a ação e fazer a melhor escolha no menor tempo possível. Em ambos os casos, os novos modos apresentam a nova dinâmica Fever, que é ativada quando o multiplicador atinge níveis mais elevados e permite acumular ainda mais pontos.

Gráficos, mas acima de tudo música

O estilo do Tetris Beat

Com uma configuração desse tipo é óbvio que a trilha sonora ocupa um lugar importante na economia do jogo e as escolhas são definitivamente funcionais ao contexto: em geral são peças de synth pop que estão bem associadas à ação, mas a programação é bastante eclético e inclui 18 faixas de vários artistas como Alison Wonderland, GARZA, Hannah Diamond, Octo Octa, Dauwd, CINTHIE e outros. Existem altos e baixos e o tipo de música pode não satisfazer realmente o gosto de todos, mas em geral há uma boa variedade e acima de tudo as escolhas estão bem centradas no ritmo do jogo, em alguns casos muito eficaz.

Da mesma forma, também estilo gráfico adotada faz parte da caracterização limpa e linear que permeia toda a produção, incluindo lasers, luzes neon, figuras geométricas e abstracionismos diversos, aproximando-se nesse sentido do excelente precedente constituído pelo Efeito Tetris. No modo "paisagem", que no momento só é visível quando se joga no Mac, a janela do jogo é muito pequena, mas é um problema que obviamente não afeta o uso no iPhone e no iPad, onde a tela é organizada verticalmente.



Commento

Versão testada iPad 1.0.1 Entrega digital app Store Resources4Gaming.com

8.2

Leitores (2)

6.0

Seu voto

A conexão entre o jogo de quebra-cabeça e a música já foi experimentada no passado, mas esta é a primeira vez que o encontramos oficialmente adotado por um Tetris, e os resultados só poderiam ser explosivos. A necessidade de seguir o ritmo exige uma abordagem ligeiramente diferente do estilo reflexivo típico do jogo clássico, o que nos leva a agir com rapidez e dinamismo também pela brevidade das sessões ligada à duração das canções, pelo menos em os dois novos modos., mas para quem quer o bom e velho Tetris ainda há a Maratona. Em qualquer caso, é fácil ser pego no fluxo do jogo cedo com uma resposta instintiva típica dos jogos de ritmo, então é provável que a nova jogabilidade possa ser apreciada por todos, mesmo além de uma seleção de músicas com um pouco de qualidade. Quanto ao resto, o jogo parte de uma base indiscutível e no Apple Arcade é totalmente livre de publicidade ou compras no aplicativo, ambos elementos positivos devido a algumas mudanças recentes do Tetris no campo móvel.

PROFISSIONAL

  • Tetris sempre funciona bem, e ainda está presente em sua forma clássica
  • O experimento de fusão do jogo rhtym foi bem-sucedido, criando uma boa alternativa
  • Três modos bastante variados
CONTRA
  • Um pouco confuso no início, impondo uma abordagem diferente do clássico Tetris
  • O modo Tap parece um pouco limitante, com posições predefinidas
  • A seleção de músicas apresenta altos e baixos
Adicione um comentário do Tetris Beat, a crítica do clássico com mais ritmo
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.