Sea of ​​Solitude: The Director's Cut - Review, uma jornada de autodescoberta

Quem sou
Valery Aloyants
@valeryaloyants
Autor e referências

Um dos anúncios mais interessantes e ambiciosos que a Electronic Arts fez, na geração anterior, é provavelmente a linha de jogos chamada Originais da EA. Esta iniciativa da empresa norte-americana proporciona uma ajuda real na tramitação de alguns pequenos projetos de estúdios independentes, iniciativa que tem permitido ao público tocar obras do calibre de Fe, A Way Out, os dois Unreavels ou mesmo o esperado Knockout Cidade. Junto com as que acabamos de mencionar, há também uma certa aventura do Mar da Solidão desenvolvida por Jogos da Jo-Mei lançado originalmente em 2019. Então, três anos depois e graças à ajuda de Sonhos Quânticos, o título dirigido por Cornelia Geppert finalmente chega Nintendo Interruptor em uma edição revisada e corrigida. Graças a uma cópia fornecida pelos desenvolvedores, nós da Resources4Gaming apresentamos hoje a revisão de Mar da Solidão: a versão do diretor, analisando os acréscimos e alterações feitas nesta republicação.



Um caminho já percorrido

O primeiro jogo desenvolvido para PC e consoles por este pequeno estúdio de Berlim, simplesmente quer contar a história de uma garotinha morena chamada Kay. O produto em questão é extremamente história conduzida, focando muito de seu apelo na possível identificação do jogador nos eventos narrados. Justamente por isso, preferimos não antecipar muito a narrativa do produto, exceto que ela está fortemente focada no tema de enfrentar os medos, o mundo que nos rodeia ou os nossos sonhos. Esses tópicos não são difíceis de discutir e ainda, mesmo com a presença de algum pequeno estereótipo, os desenvolvedores conseguiram na árdua tarefa de não vá para o banal ou ir longe demais.


Porém, já podemos ver aqui algumas diferenças em relação a três anos atrás, como um todo novo elenco de dubladores e um novo roteiro preparado para a ocasião. Não sabemos exatamente por que essa decisão drástica foi tomada, mas essencialmente o a história permaneceu inalterada contando exatamente os mesmos eventos. Nós relatamos o total ausência de dublagem em outras línguas ou em qualquer outro idioma diferente do inglês, mas está presente no que diz respeito ao texto escrito. Infelizmente não está traduzido corretamente, mas aqueles que não entendem a língua anglo-saxônica ainda serão capazes de entender o fio de cada uma das falas.


Ainda estamos falando de um videogame, e sem algum tipo de gameplay não poderia fazer parte deste meio. A estrutura do jogo é muito simples, com Kay capaz de fazer alguns movimentos simples. O objetivo do jogador é seguir o caminho traçado pelos desenvolvedores, em ambientes falsamente imensos e com uma estrutura de jogo dividida em seções e capítulos. Este último recurso prova ser uma boa configuração especialmente para o console de que estamos falando, perfeitamente adequado para sessões curtas de jogos no modo portátil.

O nível de design prova então ser bem elaborado, oferecendo quase sempre mecânicas diferentes dentro de aprox. três ou quatro horas necessário para atingir os créditos. Infelizmente, Sea of ​​Solitude: The Director's Cut não é exatamente um mestre da dificuldade, também graças à falta de qualquer sistema de vidas e à imensa generosidade oferecida pelos muitos checkpoints. Entendemos perfeitamente que esta é uma escolha astuta feita pela equipe de desenvolvimento a fim de não prejudicar a experiência narrativa, embora este recurso arrisque diminuir o fator de repetibilidade já reduzido do produto.


Gaivotas de caça

Os meninos da Jo-Mei Games, no entanto, pensaram em métodos para atrair a exploração do mundo do jogo, ou as gaivotas e as mensagens em uma garrafa. Os últimos são os reais cobrável do produto que basicamente ajudam a explorar com mais detalhes o passado do nosso protagonista. Para a ocasião, o Mar da Solidão: A equipe do Director's Cut aproveitou a oportunidade para fazer algumas melhorias de "qualidade de vida" na experiência., principalmente ligado ao menu do jogo. Na verdade, indo para "selecionar seção", você pode ver quantos colecionáveis ​​estão presentes e se esquecemos alguns na rua. Uma funcionalidade solicitada em alto e bom som pelos jogadores do produto original, que certamente ajuda e agiliza a conquista dos cobiçados 100%.


Nesse ponto, basta escolher a parte selecionada para poder viajar no tempo e compensar o erro do passado. O segundo, por outro lado, deriva da colocação mudou algumas das gaivotas e garrafas, porém, inseridas no mesmo nível de design de três anos atrás. Esse truque certamente serve para incentivar aqueles que já foram capazes de experimentar a experiência original, talvez através do aclamado Xbox Game Pass ou do popular EA Play, sem conseguir seu objetivo completamente. Isso ocorre porque os acréscimos não são essenciais, oferecendo uma experiência certamente diferente, mas não o suficiente para atrair os amantes do original e experimentar esta versão.

A verdadeira novidade exclusiva da embalagem é o modo de foto, que permite tirar belas fotos nas mais diversas situações. Este modo nos ajusta praticamente pouco ou nada com o resto da experiência de Sea of ​​Solitude: The Director's Cut, mas dada a sua popularidade, aparentemente não pode faltar. Infelizmente estamos completamente distantes de tais funções presentes em outros jogos, oferecendo os recursos mais básicos possíveis. Outra novidade do código diz respeito Os objetivos, inserido principalmente pela falta de qualquer tipo de troféu no ecossistema online da Nintendo. Infelizmente, isso também se revela uma adição muito fútil, que corre o risco de ser logo esquecida. Por último, mas não menos importante, temos o suporte de giroscópio oferecido pelos controladores, uma pequena vantagem agradável, mas muito difícil. Em última análise, estes parecem conteúdos que servem para fazer números, e não são úteis para aumentar a qualidade real de um produto já excelente em si mesmo.



Uma trilha sonora incrível

Sea of ​​Solitude: The Director's Cut consegue explorar de forma soberba Unidade, mas a porta do Nintendo Switch não está entre os melhores Em circulação. Não estamos falando do aspecto gráfico, que consegue ser limpo e agradável de olhar mesmo com as dificuldades técnicas frequentemente apresentadas pelo Nintendo Switch; nós queremos dizer o estabilidade geral que apresenta não poucos bugs, falhas, pop-ups e até mesmo lentidão em algumas seções mais animadas. Sejamos claros, esses não são problemas que arruinam seriamente a experiência de jogo, mas as situações em que Kay fica preso ou escorrega no chão são claramente perceptíveis.

No puro lado artísticoem vez disso, ainda consegue surpreender hoje, demonstrando ambientes e jogos de cores que podem deixar você sem palavras. eu'design de arte do mundo e personagens consegue cativar o jogador, demonstrando um personalidade única de seu tipo. A trilha sonora de Guy Jackson ele permaneceu intacto, e este é um detalhe extremamente positivo. A música não só consegue se adaptar perfeitamente às desventuras contadas em cada pixel do jogo, mas são até composições que também podem ser ouvidas separadamente da experiência lúdica. Uma obra soberba do compositor, aqui em sua primeira atuação em qualquer videogame e produto multimídia em geral.


Adicione um comentário do Sea of ​​Solitude: The Director's Cut - Review, uma jornada de autodescoberta
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.