Romance visual portátil

Quem sou
Alejandra Rangel
@alejandrarangel
Autor e referências

A história de Steins; Gate no oeste tem sido bastante conturbada, apesar do sucesso retumbante alcançado no Japão, que o tornou um fenômeno cross-media que deu origem a um mangá e um anime.

Ambos receberam aclamação unânime do público e da crítica, mas como costuma acontecer quando se trata de títulos japoneses de um determinado gênero, como romances visuais, o sucesso cristalino não foi suficiente para colocá-lo no topo da lista de produtos de videogame. exportados para o Ocidente o mais rápido possível. A partir de 2009 demorou seis anos para ver Steins; Gate em inglês, apenas para PC, embora em casa tenha sido lançado para praticamente todas as plataformas existentes, de consoles domésticos a dispositivos portáteis iOS e Android. Felizmente, após a primeira tradução para o inglês, o maior esforço foi feito e todas as outras versões puderam ser trazidas com mais facilidade para o nosso país. Afinal, nada mais são do que portabilidade relativamente fácil, dada a narração em desenhos e a ausência de qualquer sistema de controle que requeira uma adaptação mais direcionada com base no sistema de controle de cada plataforma. Aqui, então, se por um lado os consoles da velha geração que caíram no esquecimento não valem o esforço, mesmo que seja um pequeno trabalho, Foi criada a versão em inglês de Steins; Gate para PlayStation Vita que, dada a portabilidade e qualidade gráfica, é candidata a melhor solução para a aventura gráfica desenvolvida pela 5pb e pela Nitroplus.



Steins; Gate também chega em inglês no PlayStation Vita em sua melhor forma



Troféus PSVita

Steins; Gate inclui quarenta e dois troféus, todos relacionados com a continuação da história e o uso do telefone celular de Rintarō para ler e-mails e mensagens, o que ajuda a contextualizar ainda mais o enredo e o mundo do jogo. Muitos estão ocultos para evitar spoilers, mas para obtê-los todos é necessário completar o título várias vezes, fazendo escolhas diferentes.

Uma história misteriosa

O sucesso de Steins Gate gira em torno da qualidade da narrativa. Rintarō Okabe se encontra involuntariamente envolvido em uma história com um sabor sobrenatural e implicações que são tudo menos triviais. Sem entrar em muitos detalhes para evitar qualquer risco de spoilers, tudo começa quando nosso Rintarō junto com seu amigo Mayuri Shiina vai ao bairro de Akihabara para participar de uma conferência, encontrando o corpo sem vida de uma garota apenas para encontrá-la viva e bem. muito depois. A narrativa então se desenvolve em torno das investigações do protagonista para entender o que realmente aconteceu, como é possível que a menina não esteja morta e que mistérios o duvidoso cientista da conferência esconde.

Cada personagem é bem definido e caracterizado, o que o torna interessante desde o primeiro encontro, apesar de muitas vezes se aproximar dos estereótipos típicos das produções japonesas: Rintarō Okabe desempenha o papel do cientista bipolar, enquanto Mayuri Shiina desempenha o papel da menina ingênua que parece não estar totalmente ciente da situação em que os protagonistas se encontram. O mesmo vale para os demais coadjuvantes introduzidos gradativamente com o passar das horas, para um elenco rico e variado que vai temperar uma trama bem ritmada em geral, mesmo que não livre de declínios. O ponto forte deste último é a variedade de temas abordados, desde temas mais sérios e reflexivos, até momentos de pura comédia adolescente com algumas referências sexy, em consonância com o gênero de pertencimento. Nem tudo é rigidamente roteirizado: às vezes é preciso tomar decisões que vão influenciar fortemente a narrativa, revelando implicações inesperadas e muito interessantes. Cada encruzilhada narrativa é gerenciada pelo telefone do protagonista, que decide se atende ou não chamadas ou mensagens específicas, escolhendo cuidadosamente as palavras a serem usadas. Nesse caso, trata-se de escolhê-los entre os propostos na tela, mas isso não diminui o peso de cada decisão. Com a presença da tela sensível ao toque, tudo pode ser gerenciado diretamente com o toque, assim como a rolagem dos diálogos e a navegação nos menus, mesmo que para este último seja melhor usar as setas direcionais dados os caracteres minúsculos adotados para a interface. Quanto à renderização visual, a tela do PlayStation Vita mostra-se perfeita para pranchas muito bem feitas, confirmando-se como a melhor plataforma para o jogo principalmente em função das dezenas de horas de longevidade. Uma vez que é apenas uma questão de ler versos após diálogos, Steins; Gate é de fato muito agradável em movimento, no trem em vez de no parque, situações perfeitas para se entregar a um pedaço da história e, em seguida, pausá-lo e então pegar de onde fomos interrompidos.



Commento

Entrega digital PlayStation Store preço € 39,99 Resources4Gaming.com

9.0

Leitores (30)

8.2



Seu voto

A já bela Steins; Gate encontrou a sua consola doméstica na PlayStation Vita, capaz de conciliar a excelente realização dos desenhos com a portabilidade e comodidade de desfrutar de trechos da história em total liberdade sem necessariamente ter um PC à mão. A única falha são os menus com a escrita muito pequena, problema que felizmente não surge para os diálogos exibidos na tela. A história é muito longa e envolvente, apesar de alguma queda no ritmo, temperada com encruzilhadas narrativas interessantes e personagens bem caracterizados. Em suma, Steins; Gate per Vita é a melhor novela visual do mercado desfrutada da melhor maneira possível.

PROFISSIONAL

  • Portabilidade do PlayStation Vita
  • Mais de trinta horas de história
  • Ótima conquista
  • Enredo e personagens muito interessantes
CONTRA
  • Interface com fontes muito pequenas
  • Algumas quedas no ritmo
  • apenas inglês
Adicione um comentário do Romance visual portátil
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.