O mundo do Metal finalmente em nossos PCs!

Quem sou
Alejandra Rangel
@alejandrarangel
Autor e referências

Do encontro entre Tim Schafer e Jack Black, algo maluco e às vezes brilhante só poderia nascer, um videogame que começa como uma ação clássica, e depois se transforma em um free-roaming com muitos meios para subir de carro para entrar em cena de um estratégico. Para manter essa mistura de gêneros, está o Heavy Metal. Talvez os menos informados estejam se perguntando por que um título de quatro anos volta para ser falado: simplesmente, finalmente, Double Fine teve a oportunidade de preparar uma conversão de sua Lenda Brutal para nossos queridos PCs, lançada através do Steam.



Mixtape de Tim Schafer

Conforme antecipado no chapéu introdutório, Brutal Legend é um daqueles títulos muito difíceis de classificar, produtos que no papel pareceriam não ter cabeça nem cauda, ​​mas por alguma razão mágica conseguem ficar juntos e fascinar seu próprio público. O mérito é, sem dúvida, das duas mentes por trás da obra, que com seu humor e carisma deram vida a um jogo que diverte apenas adicionando suas partes individuais, caso contrário, um tanto sem gosto. Conforme descrito em detalhes na resenha do nosso Matteo Santicchia, a aventura conta a história de um roadie devotado à religião do Metal, a verdadeira e longe da música diluída que os majores têm nos alimentado nos últimos anos.

Embora seu trabalho seja tudo menos apreciado, ele é um homem dedicado ao seu compromisso, tanto que morreu por ele, sacrificando-se no palco durante o último show. No entanto, a jornada de Eddie está apenas começando, pois ele vai despertar em um mundo paralelo ao nosso, povoado por criaturas que parecem ter saído das melhores capas do Iron Maiden e companhia. Uma terra subjugada por um malvado, enquanto o nosso protagonista, empunhando um machado e uma guitarra mágica, assume o papel do salvador predestinado. O verdadeiro carro-chefe da Brutal Legend no entanto, não é a jogabilidade, mas a direção de arte e as cortinas hilárias. E se você conhece e ama o Metal clássico, o que é dito estar morto, então você se encontrará em casa.



Nós pegamos Machado e Guitarra

A versão para PC do Brutal Legend não relata quaisquer alterações, propondo-se como uma adaptação praticamente idêntica ao original, sem sequer acréscimos de conteúdo, exceto pela inclusão dos dois DLCs. Portanto, você começará sua aventura aprendendo os combos básicos que caracterizam o componente de ação, com Eddie abrindo caminho entre os inimigos agitando seu machado e liberando raios que emanam de sua guitarra.

Em breve você terá a oportunidade de libertar alguns Headbangers, sujeitos todos musculosos e com pouco cérebro, praticamente capazes apenas de mover a cabeça para cima e para baixo. O que poderia ser feito para crianças nessas condições? Mas obviamente faça com que eles se apaixonem pelo Metal! Assim, eles seguirão Eddie em suas aventuras, obrigando-se a ordenar o que fazer e para onde ir com comandos simples. A partir daqui, o título configura uma estrutura de estratégia em tempo real elementar que aparecerá imediatamente muito simplificada para um jogador de PC, em parte devido às escolhas de design precisas (Tim Schafer certamente não estava tentando criar um Starcraft com uma configuração Metallara!) E em parte por causa do sistema de controle. O pad forçou os desenvolvedores a dispensar qualquer tipo de enfeite, limitando o controle sobre as unidades a alguns comandos. A transição para a versão para PC não ajudou em nada e, de facto, o título, embora funcione mesmo com rato e teclado, não consegue esconder as suas origens. Resumindo, um bom gamepad continua sendo a melhor escolha.


Adaptação rápida

Mesmo conteúdo e mesma jogabilidade, portanto; Tim Schafer e associados certamente não passaram noites sem dormir tentando oferecer aos usuários de PC um produto dedicado. Felizmente, o setor gráfico pode apresentar alguns truques. Vamos falar de pequenos detalhes que enriquecem a estética, com certeza a serem recompensados, de Brutal Legend. Não temos em mãos a tecnologia de ponta, mas sim um produto sólido, refinado em um estilo levemente cartoon, que pode ostentar personagens modelados e animados de forma verdadeiramente apreciável.


Os cenários, então, tiveram um ligeiro ajuste, completo com uma linha de horizonte expandida graças ao poder de computação disponibilizado por nosso hardware. Também dignos de nota são alguns novos efeitos, como Depth of Field, SSAO e Anti Aliasig. As configurações são muito limitadas, mas a boa otimização permite que você execute o título em praticamente qualquer configuração. Para o teste, além de um Phenom II X3 com um nVidia 570 e 4 GB de RAM que não se incomodou em manter os sessenta quadros por segundo, testamos o título em um MacBook Pro de 13 polegadas. O equipamento, por ser um modelo 2011, conta com processador Intel i5, 4 GB de RAM e placa de vídeo Intel HD3000, porém, foi suficiente, reduzindo alguns detalhes, para jogar com decência. Por fim, mencionamos o suporte pós-lançamento, que viu a Double Fine já lançar várias atualizações para corrigir alguns bugs e arquivar as últimas arestas.


Commento

Entrega digital: Steam Prezzo: 18,99 € Resources4Gaming.com

8.0


Leitores (46)

8.5

Seu voto

Brutal Legend é um título particular, indicado para quem gosta de descobrir produtos um pouco experimentais, imperfeitos mas que, no geral, fascinam pelo carisma que emana de cada pixel. E se você conhece e aprecia Heavy Metal, vai gostar de todas as falas e piadas, parte de um roteiro que representa o verdadeiro carro-chefe do título Double Fine. Pena que não há acréscimos reais dedicados aos usuários de PC, exceto por algumas melhorias estéticas e a inclusão dos dois DLCs, tornando esta versão adequada apenas para aqueles que perderam o original.

PROFISSIONAL

  • Sempre divertido
  • O estilo se encaixa perfeitamente
  • Uma carta de amor para o Heavy Metal
CONTRA
  • Muito poucas adições
  • Jogabilidade em busca de identidade

Requisitos de sistema do PC

Configuração de teste

  • Phenom II X3 720
  • Nvidia GTX 570
  • 4 GB RAM

Requisitos mínimos

  • Processador Intel Core 2 Duo 2.2 GHz ou AMD Athlon 64 2.2 GHz
  • 1 GB RAM
  • Scheda Video 512 MB GeForce 220, Radeon 4550, Intel HD 3000
  • 8 GB de espaço em disco

Adicione um comentário do O mundo do Metal finalmente em nossos PCs!
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.