Imperator: Roma, a revisão

Quem sou
Valery Aloyants
@valeryaloyants
Autor e referências

Imperator: Roma, do qual você está lendo Revisão, é um deles estratégico que inicialmente esmaga você. Olhando para ele, você reconhece a estrutura 4X, mas ao mesmo tempo percebe que sua floresta de menus esconde muito mais do que você poderia sonhar. Paradox Interactive decidiu continuar no caminho que o tornou excelente e criou um título intransigente que homenageia clássicos como Crusader Kings 2 ou Europa Universalis. Na realidade, estamos perante um jogo que tenta aproveitar as coisas boas feitas pelos seus antecessores, misturando tudo da forma mais eficaz possível.



Vamos esclarecer um ponto imediatamente: descrever todas as funções do Imperator: Roma é praticamente impossível. A interface é composta por tantos menus, eles próprios cheios de tantos botões, que podem deixá-lo desorientado. Foi o mesmo com os outros estrategistas do Paradox, mas aqui também, os fãs precisarão de algum tempo para se acostumar com todos os novos recursos. Na verdade existe um tutorial que, de forma inteligente, não perde tempo explicando os botões individualmente, mas define metas a serem alcançadas e explica como fazê-lo. Infelizmente, não é muito completo e muitas informações importantes são perdidas ao longo do caminho, que devem ser deduzidas jogando. Afinal, o problema de títulos semelhantes, pelo menos para o jogador médio, não é tanto entender que a partir do menu de religião é possível fazer sacrifícios aos deuses, mas entender como os diferentes setores influenciam uns aos outros e como cada um de nossos as ações acabam produzindo efeitos na governança interna e nas relações com as nações vizinhas.


Infelizmente, teria sido praticamente impossível criar um tutorial que incluísse todas as situações de jogo possíveis, então você tem que se contentar e iniciar Imperator: Rome em um certo sentido, ciente de que antes de começar a jogar com plena consciência do que acontece na tela, você precisa dedicar mais do que algumas horas a isso.


304 AC

As partidas de Imperator: Roma começam em 304 AC. Ao contrário de outros estratégicos, não permite selecionar apenas algumas das facções do mapa, com as outras atuando como contorno, mas uma entre todas as populações da época incluídas em uma área geográfica que se estende da Europa à Índia . Obviamente, existem alguns países recomendados porque são mais estruturados, como Roma ou Egito, mas se você quiser, pode selecionar a região de Tsang no Tibete e começar por aí. Parte do nível de dificuldade de um jogo é determinado precisamente pela nação escolhida: Roma, por exemplo, imediatamente tem recursos excelentes, um território bastante extenso e uma forma avançada de governo, enquanto Boras, para mencionar outra nação, tem menos população, um Exército mais limitado e uma organização política mais primitiva, bem como menos tecnologias disponíveis.

La mapa a jogabilidade é completamente 3D e muito mais dinâmica do que a vista em outros títulos da Paradox, incluindo Europa Universalis IV. Dependendo do nível de zoom e do tipo de exibição selecionado, ele fornece informações valiosas sobre o nosso e outros países a olho nu. O objetivo do jogador é simples: expandir. Como fazer depende de nós e aqui, por assim dizer, a diversão começa. Os jogos do Imperator: Rome variam enormemente dependendo da nação selecionada. Por exemplo, uma monarquia oferece problemas internos muito diferentes de uma república. Vamos pegar o descida para a guerra: uma monarquia oferece uma abordagem muito mais direta, uma vez que é o governante que decide. No limite, muita agressão pode causar descontentamento na população, mas, por exemplo, não há necessidade de uma votação no Senado para decidir se deve ou não agredir alguém. Uma república, por outro lado, requer uma abordagem muito mais lateral. Por exemplo, antes de declarar guerra a alguém, é sempre melhor criar motivos de descontentamento de forma artificial para ter um casus belli forte a usar para obter o voto positivo do Senado. O tipo de governo também muda muito as relações de poder internas e externas, como aquelas com as famílias dos potentados que formam a classe dominante de nossa nação.



Todos esses aspectos, aos quais se somam muitos não mencionados, como a possibilidade de pesquisar novas tecnologias, a de administrar o credo da população, e o imenso lado diplomático (a que nos dedicaremos mais algumas palavras no parágrafo seguinte) fazem cada jogo do Imperator: Rome é um desafio em si, que pode durar até dezenas de horas e que sempre oferece novos estímulos ao jogador.

Combatente

Após a invasão inicial, Imperator: Roma é capaz de dar grande satisfação. Em particular o lado militar foi muito cuidado e oferece uma série de novas opções para o gênero. Os exércitos podem ser compostos de unidades diferentes, sejam infantaria a pé ou a cavalo, carruagens, elefantes, camelos e assim por diante, e podem assumir formações que lhes dão vantagens e desvantagens sobre os campo de batalha. Isso se traduz na possibilidade de ver grandes exércitos serem derrotados ou dizimados por equipes numericamente muito menores. Além disso, dependendo das tropas, a CPU tenderá a usar táticas diferentes. Por isso, antes de lutar, principalmente contra as nações mais fortes, torna-se muito importante conhecer o inimigo enviando batedores de reconhecimento.

O tipo de região em que você vai lutar e a conformação do próprio mapa também devem ser levados em consideração. Por exemplo, o Lácio não apresenta modificadores negativos em termos de clima em comparação com os territórios do Norte da Europa, enquanto as altas zonas montanhosas de cordilheiras como os Alpes criam verdadeiros funis, como o terrível de Ambisontia, que podem levar a massacres. em grande escala. No entanto, o lado militar é muito mais do que apenas como pode ser expresso em palavras, também porque está sistematicamente entrelaçado com o resto do jogo. Além dos exércitos, por exemplo, é preciso considerar o jogo de alianças entre populações, o que pode levar a problemas significativos em termos estratégicos. Por exemplo, em um jogo no comando de Roma, nos mostramos muito agressivos com as populações vizinhas Expandindo rapidamente, mas sem prestar muita atenção à diplomacia. Assim, as outras tribos juntaram forças contra nós e começaram a criar problemas para nós, principalmente nas fronteiras, desacelerando nossa corrida em direção ao império. As batalhas começaram a ficar mais duras, com mais baixas em nossas fileiras. Ataques surpresa se multiplicaram, obrigando-nos a gastar mais recursos para atualizar nossas defesas.



Obviamente, a população não gostou e a produtividade caiu um pouco. O próprio Senado, inicialmente todo a nosso favor, passou a solicitar mais esforços para ser persuadido a votar nossas manobras, a ponto de ter recebido votos contra. Nossa desaceleração beneficiou os adversários que se fortaleceram e conseguiram retomar alguns territórios de fronteira, onde nossas defesas eram menos agressivas.

Pechinchar

Portanto, decidimos interromper a expansão por alguns anos (em termos de tempo de jogo), focando em questões internas e tentando nos reconectar com alguns dos nações rivais. Ao gastar recursos em presentes, espionagem, atividades religiosas e pesquisas, fomos capazes de recuperar as forças. Nesse ínterim, limitamo-nos a defender as fronteiras e a patrulhar os mares com trirremes, para evitar emboscadas repentinas, manipulando possíveis rivais com manifestações de benevolência muitas vezes até excessivas. Em tudo isso, como você deve ter entendido, a diplomacia desempenhou um papel fundamental. A partir deste ponto de vista Imperator: Roma é o melhor jogo do mercado, pouco a dizer.

O que não é alcançado no campo de batalha pode ser alcançado convencendo, subornando, aliando-se às nações certas ou gastando para apoiar as forças rebeldes que desejam derrubar os governos em exercício. O exército também pode ser usado para significar diplomático, por exemplo, atacando uma nação rival de outra com a qual estamos interessados ​​em estabelecer relações, ou criando alianças entre nações que têm um inimigo comum. No início você quase se perde diante da quantidade de possibilidades oferecidas, mas quando você entende as diferenças e as potencialidades, é impossível não se envolver. Realmente lutamos para lembrar uma estratégia tão completa de um ponto de vista diplomático em que as escolhas feitas pelo jogador tenham consequências lógicas e, se quisermos, historicamente consistentes, sem parecerem estar confiadas a fatores arbitrários que imediatamente revelam a natureza artificial de o próprio sistema. Também deve ser observado que ointeligência artificial consegue administrar a diplomacia de maneira sensata, mesmo quando o jogador não tem nenhuma função.

Mais

Imperator: Roma é muito mais do que descrevemos. Como deves ter compreendido, os numerosos sistemas que o compõem trabalham em conjunto para criar uma jogabilidade coerente que, uma vez internalizada a interface, conta de forma muito eficaz a evolução da nação guiada e dos territórios vizinhos. Para apoiar o todo, há também uma série de eventos e escolhas relacionadas à microgestão da população que tornam os jogos ainda mais interessantes.

Por exemplo, como lidar com o escravidão? Os escravos melhoram nossa produtividade, alegram as famílias latifundiárias, mas ao mesmo tempo diminuem o nível de felicidade da nação e podem causar problemas de ordem pública. O foco na escravidão também aumenta a fome expansionista, pois para manter elevada a população escrava, novos territórios devem sempre ser conquistados. E a religião? Promover as crenças das pessoas é importante para mantê-las boas, mas ao mesmo tempo alguns cultos podem entrar em conflito com certas escolhas feitas. Em suma, com certeza terá compreendido que nos deparamos com um título de rara complexidade, não adequado para todos, mas precisamente por isso capaz de oferecer mais do que a maioria dos concorrentes, principalmente de longa distância. Os únicos defeitos do Imperator: Roma são a falta de mais algumas telas de informações, com acesso a alguns dados mais complicados do que o necessário, e o gerenciamento das nações tribais, pior do que todos os outros tipos de governo, porque é menos completo e carece de exclusividade.

Provavelmente, ambos os problemas serão corrigidos com atualizações e expansões, que os desenvolvedores não perderão (basta pensar no suporte pós-lançamento de seus outros títulos como Stellaris para ter certeza). Uma nota final: ao contrário de muitos outros estrategistas da Paradox, Imperator: Rome não apresentou grandes problemas de estabilidade. Em particular, nunca travou. Para muitos, pode parecer estranho ver isso sublinhado, mas aqueles que conhecem alguns dos títulos Paradoxo anteriores sabem que não é uma conquista pequena.

Commento

Entrega digital Steam, GoG preço € 39,99 Resources4Gaming.com

9.0

Leitores (23)

7.8

Seu voto

Imperator: Roma é simplesmente um dos melhores estrategistas do mercado, um dos poucos capazes de equilibrar de forma convincente a expansão militar, a diplomacia e a gestão interna, sem criar grandes inconsistências na lógica e na jogabilidade. Sinceramente, não temos vontade de penalizá-lo pela sua indiscutível complexidade, visto que esta se justifica pelo objetivo perseguido pela Paradoxo de criar a melhor estratégia possível para um público de verdadeiros adeptos. Mesmo os dois defeitos ilustrados no artigo, nomeadamente as deficiências na gestão das tribos e a falta de um ecrã de informação mais claro, não comprometem a qualidade de um jogo que só podemos recomendar a quem procura uma verdadeira estratégia.

PROFISSIONAL

  • Excelente equilíbrio entre as necessidades do exército, diplomacia e população
  • Cada jogo oferece ideias diferentes
  • Centenas de horas de jogo
  • O mapa 3D é excelente
  • Inteligência artificial é inteligente
CONTRA
  • Nações tribais carecem de elementos únicos mais pronunciados
  • Mais algumas telas de informações não faria mal
  • Avalie seu nível de proficiência com o gênero antes de comprá-lo (isso é mais um conselho do que uma falha)
Adicione um comentário do Imperator: Roma, a revisão
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.