close
    search Buscar

    Dentro - Revisão

    Quem sou
    Valery Aloyants
    @valeryaloyants

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo


    Alguns jogos visam o fotorrealismo, transformando sua tela em um espelho em uma realidade diferente daquela que você conhece, outros tentam de todas as formas criar uma experiência multijogador para poder construir um sistema de torneio nela: finalmente, existem alguns, infelizmente ainda poucos, que trazem arte para nossas plataformas de jogos. Sem sombra de dúvida, Dentro da, um título desenvolvido pela Playdead (já no limbo com Limbo), se enquadra nesta categoria e agora vou explicar o porquê.



    É preciso dizer que Limbo (2011) no cenário Indie representa uma espécie de precursor de um mundo hoje realmente enorme: não existia nenhum regulamento ou plano de publicação na época, e a situação não era tão rósea como hoje para o mundo independente. . Fortalecidos por um produto de tanto sucesso, eles voltam hoje com as mesmas convicções, para trazer novas emoções ao jogador com Inside. Ambientado em um presente distópico onde há controle por forças inimigas que tentam, com experimentos cruéis em humanos, subjugá-los, vamos assumir o comando de uma criança que durante sua jornada / fuga se encontrará e colidirá várias vezes com vários tipos de oponentes. Como no Limbo, neste jogo não poderemos lutar, mas somente teremos a possibilidade de caminhar, correr, nadar (com relativamente pouco ar disponível) e usar objetos como alavancas e similares: com esses poucos movimentos, o jogador terá que resolver quebra-cabeças que eles farão, potencializa a engenhosidade, a emoção e as sensações de quem terá o bloco nas mãos.

    Aprofundando a jogabilidade, o jogo o levará inicialmente a encontrar quebra-cabeças fáceis de resolver que, como um tutorial curto, mas exaustivo, irão iluminá-lo sobre a mecânica do jogo: conforme você avança, no entanto, Inside irá forçá-lo a tomar as noções que acabou de aprendeu e reajustou-os para sobreviver., levando você a usar o sistema De Erro de teste para ser capaz de aprender com seus erros e continuar. Inimigos humanos ou animais tentarão te pegar de surpresa e você terá que aguçar sua inteligência para poder semeá-los em sua luta contra essas forças do mal. A parte mais frustrante do jogo, deliberadamente desenhado desta forma, será ter que ver a cada passagem da zona (separada por pequenos movimentos de câmera) que todas as ações feitas até aquele momento, como mover uma determinada caixa, não serão usados ​​na próxima cena, pelo contrário, provavelmente levarão você à morte certa. Quanto ao Limbo, Inside também usará cenas de morte muito sangrentas que, com o novo estilo gráfico, vão deixar uma sensação de melancolia e exasperação ao jogador.



    Falando sobre o direção artística e estilo gráfico, no título iremos encontrar imediatamente muitas semelhanças com o seu predecessor espiritual, tendo uma cor monocromática predominante que, no entanto, ao contrário do Limbo, terá lampejos de cor úteis para destacar áreas importantes e dar uma sensação de profundidade dos locais. Essas pequenas cores, usadas no personagem (com a cor vermelha da camisa) e em algum objeto, estarão em contraste com os humanos subjugados, totalmente brancos, que podemos controlar com um certo capacete avançando no jogo. As mortes sangrentas, agora quase uma assinatura do Playdead, serão portanto temperadas com sangue vermelho que, diferentemente do protagonista do Limbo, deixará ainda mais uma sensação de vazio ao jogador.

    Se houver um detalhe que realmente impressiona é a sensação que os desenvolvedores têm sido capazes de dar através de cenas sangrentas estudadas com perfeição em termos psicológicos: basta saber que, em um certo enigma, onde você terá que trazer cerca de 20 humanos subjugados para uma plataforma, um deles estará morto, mas para fazer os números mesmo assim, você terá que arrastá-lo e soltá-lo na área útil. Esta sessão de jogo específica, assim como muitas outras, fará com que o usuário entenda a mentalidade do inimigo de querer usar os humanos como simples bestas controladas, e para salvar a vida do protagonista você também será forçado a fazê-lo.


    Em conclusão, Inside replica, senão supera completamente, o primeiro jogo Playdead, inserindo novos recursos e novos detalhes que evoluem a experiência vivida com a famosa criança preta e branca. Uma atmosfera criada especificamente para acompanhar o jogador em uma viagem inesquecível, imbuído de significado, o que o levará a se entusiasmar ao lidar com questões como liberdade e valor humano. Não vou usar spoilers inúteis arriscando-se a arruinar esta magnífica aventura mas, para quem quer encarar um título onde não serão simples utilizadores mas viverão numa experiência, dedicar-se totalmente a ela usando talvez um par de auscultadores, para curtir também o incrível trabalho realizado pelo departamento de Sound Design.


    Adicione um comentário a partir de Dentro - Revisão
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.